Diversidade cultural!

Essa semana vi essa imagem linda de uns colegas aqui da IE, alunos do MIM (Master in Management).

Com certeza uma grande realidade do nosso dia a dia e uma das melhores coisas do MBA internacional, conviver com culturas e pessoas muito diferentes.

Anúncios

Um típico dia de um aluno de MBA na Espanha

 

Guilherme Ubiali IE Business School

Guilherme Ubiali na IE University.

Como é cursar um MBA na Europa? Como é seu dia a dia em Madri? Essas são perguntas muito comuns que recebo como aluno do International MBA da IE Business School, por isso resolvi fazer esse artigo e contar como é um típico dia de um aluno de MBA na Espanha.

Uma anedota muito comum é dizer que nossa vida é dividida entre três coisas dais quais você tem que escolher duas: Estudar, fazer networking e dormir. Eu particularmente não concordo que você tenha que escolher apenas duas das três, mas com certeza administrar seu próprio tempo (ou a falta dele) é um dos maiores desafios do aluno de MBA.

A seguir, conto como é a minha rotina e como eu tenho feito para administrar o meu tempo.

8h00 – O despertador toca, é hora de levantar. O sol ainda está nascendo em Madri e o friozinho deixa tudo mais difícil.

9h00 – Iniciam-se as aulas. Os alunos chegam, alguns alegres e outros mais sonolentos, dependendo de como foi a noite anterior. Aula do dia, Corporate Finance e Managerial Decision Making. As aulas variam muito, não seguem uma linha constante. A cada três meses termina um “term” e trocam todos os temas e professores.

11h00 – Intervalo 40 minutos de comer alguma coisa. Perto da faculdade existem várias opções e com 10 euros consegue-se almoçar.

11h40 – De volta às aulas, a tarde de hoje foi reservada para Marketing Management e Strategy.

15h00 – Terminam as aulas, mas não o dia. Temos reunião do Club Brazil, o qual sou presidente, e em seguida uma reunião rápida do grupo de trabalho de sala.

16h00 – Palestra sobre BlockChain, uma tecnologia totalmente disruptiva que promete transformar diversas industrias como healthcare, bancos e telefonia.

17h00 – Company presentation. Hoje a vez foi da indústria Farmacêutica, ao final um coquetel de networking. Vinho e cerveja a vontade, mas como meu dia ainda está só na metade, eu fico no refrigerante.

18h30 – Enfim em casa e hora de trabalhar. Terminar a minha parte do trabalho e enviar para o grupo para revisão.

19h30 – Parada rápida para o jantar.

20h00 – De volta aos estudos, agora é a vez de preparar-me para a aula do dia seguinte. Leitura de um ou dois cases, acompanhados de mais três artigos, normalmente entre 60 e 90 páginas por dia.

23h30 – Enfim terminando a leitura e, como não sou de ferro, vou assistir um episódio da série que acompanho no Netflix.

00h30 – Pronto para dormir e descansar para um novo dia.

A rotina de um aluno do International MBA da IE é mais ou menos assim todos os dias. Alguns dias com mais company presentations, outros com mais leituras e outros mais livres nos quais é possível ir a feiras tecnológicas, fazer compras ou sair com os amigos.

Aos finais de semana a gente aproveita mais, é sempre possível caminhar pelo belo parque do Retiro, passear de bicicleta por Madrid ou viajar. Eu viajo a cada dois finais de semana, afinal, estamos na Europa!

Como viram, a rotina é intensa, começa cedo e termina tarde, mas o mais importante é que quando o dia termina você não se sente exausto, pelo contrário, está animado e ansioso para mais um dia!

Um abraço,

Guilherme Ubiali

¡Buenas (noches) tardes, Madrid!

São 9h10 da noite e é assim que os espanhóis se cumprimentam por aqui. Durante todo o verão o sol é praticamente inesgotável, o que, particularmente, tenho gostado bastante!

Esse pôr do sol tardio que vocês veem nas fotos nos permite ter uma vida bem diferente da que estamos acostumados no Brasil. Conseguimos aproveitar mais a cidade, passear ao ar livre… fora que deixa cidade muito bonita. Isto é, quando os estudos do International MBA permitem hahaha. Tirei as fotos saindo da IE, depois de ter acompanhado uma palestra sobre a indústria farmacêutica.

IMG-20160530-WA0017

Fato é que o sol das nove, da noite, já faz parte da minha rotina, assim como de todos os espanhóis.

Aqui o “buenas tardes” dura até esse horário porque o dia a dia deles também é bem diferente do nosso. Eles começam a trabalhar por volta das nove da manhã e seguem até às 13h para uma pausa – beeem prolongada – para o almoço.

São três, às vezes quatro horas de intervalo, e nesse meio termo fica difícil até de conseguir achar algum estabelecimento aberto, por maior que seja sua emergência. Eles levam a tal da siesta bem a sério!

Nesse tempo, além da soneca, alguns aproveitam o tempo para praticar algum esporte ou reunir a família e amigos para um tempo de descontração. Com as energias recarregadas, eles voltam ao batente por volta das quatro, cinco da tarde, e seguem até às 20h trabalhando.

Essa rotina faz de Madri, ao menos em sua região central, uma cidade bem movimentada até meia noite. A vida noturna (não falo das festas, hein!) é algo único, uma característica que a difere das demais cidades europeias.

Guilherme Ubiali

Global Village – O mundo em um só lugar: a IE Business School

Foi com a frase “Bem-vindo à maior extravagância cultural da IE Business School” que começou minha viagem pelo mundo. Com mais de 90 nacionalidades presentes, o campus a IE é um caldeirão de culturas. Por isso, anualmente o Net Impact Club organiza um evento para celebrar essa rica diversidade cultural com muita alegria, o Global Village.

IMG-20160609-WA0024

Esse ano o evento aconteceu numa ensolarada quinta-feira de junho em Madri e reuniu entre 400 e 500 pessoas; alunos, partners, professores, pessoas da comunidade, funcionários da IE e ex-alunos marcaram presença nesse dia maravilhoso.

Mas como funciona o evento?

Dentro da IE encontramos dezenas clubes (se não me engano, mais de 90) separados em diferentes áreas de interesse: negócios (marketing, empreendedorismo, comunicação, e-commerce, etc), lazer (dança, yoga, etc), esportes (basquete, futebol, vôlei, rugby…).

Acontece que cada país costuma ter seu clube também. No Global Village, portanto, esses clubes são convidados a montar barraquinhas e mostrar um pouco da sua cultura com comida, bebida, roupas e música. Esse ano também marcaram presença no evento os clubes de Dança e LGBT.

É claro que o clube brasileiro teve uma barraca caprichada lá! Com a participação de quase todos os brasileiros estudando na IE em Madri (a maioria vestida com a amarelinha), conseguimos fazer bonito com pão de queijo, brigadeiro, guaraná e aquele que fez mais sucesso, o açaí. Além disso, com apoio de uma escola brasileira de capoeira daqui, fizemos uma linda apresentação.

Foi um evento incrível, não só porque a gente pode mostrar nossa cultura, mas também porque pode ver e viver um pouco da cultura de diversos países representados por seus estudantes na Europa.

Muitos amigos do International MBA dançaram a caráter músicas de seus países, serviram comidas e bebidas típicas, sempre com muita animação! Eu tentei aproveitar um pouquinho de cada país, e experimentar coisas que eu nunca tinha visto antes.

Uma oportunidade única de conhecer e viver a cultura dos meus amigos, mostrar um pouquinho do Brasil e me divertir bastante – algo propiciado somente por um MBA no exterior que tenha muita diversidade de nacionalidades.

Outra coisa legal: esse evento é também um projeto social do Net Impact Club e toda a renda é revertida para o Social Responsibility Forum, que acontece anualmente, colocando alunos e empresários em contato. Juntos, eles pensam e debatem soluções empreendedoras e inovadoras para os assuntos de maior pressão social no mundo.

Se você gostou do evento e quer mais fotos e vídeos. Publiquei mais coisas aqui no meu blog.

Guilherme Ubiali

Pausa no MBA aqui na Europa para ver o jogo… e que jogo

Alguém aí não viu Atletico de Madrid e Real Madrid se enfrentando pela segunda vez em uma final de Champions League, o maior torneio de clubes do mundo? Mesmo que você não seja um fanático por futebol, deve ter ouvido falar sobre a grande partida que movimentou a capital espanhola.

Pareceu videogame. Gol do Real, gol do Atlético.  Pressão do Real, pressão do Atlético. Prorrogação, 122 minutos de bola rolando, 9 pênaltis e Real campeão (confesso que torci para o Atlético). Mas na verdade, foram a cidade de Madri e o povo madrileno os verdadeiros campeões.

A alegria, branca, vermelha e azul dos colchoneros (nome dado aos torcedores do Atletico, como o João já explicou aqui) estava nos olhos, sorrisos e paixão de uma metade do povo. Do outro lado, a vontade de gritar “é campeão” pela décima primeira vez dos madridistas era igualmente impressionante. O alvoroço fez lembrar meus tempos de Belo Horizonte, quando jogava Atlético Mineiro e Cruzeiro.

Mais uma diferença cultural que estudar em Madri me proporcionou: o clima de paz e alegria entre os torcedores. Era bonito de se ver a convivência alegre entre os torcedores dois dois times. Nos bares, dividiam inclusive a mesma mesa. Não vi briga, não vi discussão e muito menos morte, algo comum no Brasil, mas totalmente impensável em Madri. Tomara que um dia nossos torcedores entendam que o prazer do futebol está em aproveitar com os amigos e não se matar por um time.

20160528_213457-1

Resultado consumado, fomos comemorar com centenas de milhares de madridistas na praça Cibeles. Não me surpreendi ao ver em meio aos torcedores do Real centenas de torcedores do Atletico, que apareciam uniformizados para festejar com os campeões de forma totalmente harmônica e sem nenhum incidente (fiquei imaginando um torcedor Tricolor comemorar na Gaviões da Fiel).

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Fui embora às duas da manhã, enquanto milhares de torcedores ainda chegavam para aguardar os jogadores que passariam por lá às cinco.  No fim, ficou a alegria de estar com os amigos das mais diversas nacionalidades que fazem MBA aqui na Espanha, de se divertir vendo um futebol de altíssimo nível e a certeza de que aquela noite foi Madri que dormiu como campeã e capital mundial do futebol.

Nessa matéria do UOL vocês encontram mais detalhes sobre a partida.

Até a próxima!

Guilherme Ubiali

Comemoração e novos rumos para o Brazilian Club

Oi, Pessoal. Tudo certo?

Sou o Guilherme Ubiali, colega do João e da Ana no International MBA, escrevendo direto de Madri! A partir de agora a gente vai se “ver” algumas vezes aqui no blog que conta o dia a dia de um MBA na Europa. A vida como estudante no exterior tem sido muito intensa! Além dos estudos e várias provas, também nos dedicamos bastante aos eventos promovidos pela comunidade de alunos e pela própria IE.

Semana passada, eu e outros brasileiros nos reunimos no Selfie (bar bastante frequentado pelos estudantes da IE) para comemorar o sucesso do Brazilian Day, evento mais importante que promovemos enquanto membros do Brazilian Club da IE. Nessa reunião também definimos a nova coordenação.

Nossa função principal como Clube é a promoção da cultura brasileira na IE e a interação entre os membros do clube – no total somos cerca de trinta brasileiros aqui na IE, cursando o Master in Management, International MBA, Executive MBA e a graduação.

Olha a gente na foto ai! Ao fundo, de preto, o Leonardo, antigo presidente do clube. Ao lado dele, de camisa clara mais ao centro sou eu! Estou assumindo agora esse papel de novo presidente do clube, muito orgulho e responsabilidade de representar nosso país aqui na IE.

IMG-20160519-WA0004

O último Brazilian Day aconteceu dia 22 de abril (não por acaso, dia do Descobrimento do Brasil). Esse ano a festa foi um enorme sucesso. Organizamos um evento para 450 pessoas, em parceria com o bar Real Café Bernabéu (Sim, a festa foi dentro do estádio do Real Madri!). Foi uma das maiores festas da IE, um ambiente mágico e alegre com música e bebida brasileira. Índia, Cingapura, Rússia, Estados Unidos, Colômbia, Inglaterra, Líbano… foram alunos do mundo todo, afinal aqui na IE somos mais de 100 nacionalidades.

Olha as foto tiradas pela Alessandra Aroeira, partner de um aluno e grande parceira nossa.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

A participação nos clubes é uma das coisas mais importantes da experiência do MBA. Nos clubes conseguimos realizar tarefas que vão além do escopo da faculdade, mas não é só festa. Estimulamos o networking e aprendizado com palestras sobre temas variados da atualidade, nos ajudamos e trocamos muita informação profissional e de nossas vidas como estudantes aqui em Madri.

Pra vocês terem uma ideia eu participo ativamente de dois Clubes e vou em eventos de quase todos os outros. É um aprendizado bastante “hands-on” e uma oportunidade única de desenvolver habilidades emocionais, como liderança e trabalho em equipe, colocando em prática o que estamos aprendendo na IE. Além da festa brasileira estamos planejando outros eventos para esse ano, muita novidade vem ai e vou contar tudo aqui no blog.

Por hoje é isso. Retorno em breve com mais novidades para vocês!

Selfie Restaurante: http://selfierestaurante.com/web/
RealCafé Bernabéu: http://www.realcafebernabeu.es/

Champions League com “gostinho de Libertadores”

IMG-20160316-WA0012

Fala, pessoal. Beleza?

Depois da Ana (https://www.instagram.com/p/BC8v1SYvohJ/?taken-by=diariomba), terça-feira foi minha vez de viver a experiência de ir a um jogo europeu. E, de cara, um mata-mata de Champions League: Atlético de Madrid x PSV Eindhoven, no Vicente Calderón.  Fomos em um bom grupo do meu intake – ingressos comprados com 2 semanas de antecedência, via internet, para todos conseguirem ficar no mesmo setor do estádio.

IMG-20160316-WA0010

Como comparação entre Brasil e Espanha, tenho que dizer que o acesso aos jogos de transporte público faz a diferença na comodidade e no controle de custos. O respeito pelo assento também é outra diferença positiva em relação ao que estamos acostumados.

Como semelhança, os bares do lado de fora. Muito cheios, são uma ótima opção para um pouco de “turismo” antes da partida. Mas o destaque fica mesmo para a torcida. Bem diferentes dos torcedores do Real Madrid, que só ficam sentados e aplaudem as jogadas, os “colchoneros”, como são chamados os torcedores do Atlético, são muito mais entusiasmados durante a partida. O estádio mais antiquado, longe do tal “padrão Fifa”, também deixou a partida com um ar de Libertadores.

Em 210 minutos de bola rolando o Atlético não conseguiu furar a defesa do PSV, então fomos para os pênaltis. Para nossa alegria, vitória dos donos da casa por 8×7. Saindo do estádio, nada de correria para voltar para casa. Metrô para todo mundo até 1h30 da manhã.

Até mais e ¡dale Atleti!

João