Minha experiência como presidente do IE Brazil Club

O último ano foi muito especial para mim, porque fiz meu MBA internacional, um sonho que eu tinha desde a faculdade. Sempre comento que uma das coisas que mais gostei do MBA foi a oportunidade de participar dos clubes extra-classe. Estes clubes são formados pelos alunos e contam com suporte e divulgação da faculdade, através do Campus Life. Eu era um membro de vários como FMCG, Public Speaking, E-commerce e HealthCare, mas foi no IE Brazil Club que eu mais participei.

Eu sou apaixonado pelo meu país, acredito no seu potencial e queria mostrar isso para meus novos colegas de MBA. Então, assim que cheguei ao IE, falei com os coordenadores do Brasil Club e me coloquei a disposição de ajudá-los. Comecei como membro, ganhei mais responsabilidades e acabei sendo um dos principais organizadores da primeira festa brasileira do ano, ainda no primeiro semestre de 2016. Os coordenadores, vendo minha dedicação ao clube, me chamaram para conversar sobre a possibilidade de ser um coordenador e talvez até presidente do clube. Abracei a ideia e comecei a procurar amigos que quisessem me acompanhar nessa jornada, sabia que só seria impossível fazer tudo que queríamos se eu tivesse uma equipe muito forte de coordenadores para me apoiar e em maio de 2016 fui eleito presidente do IE Brazil Club.

O IE Brazil Club tem como objetivo promover a cultura brasileira na IE e também incentivar a interação entre os membros brasileiros. Portanto, ser presidente do clube não era apenas uma honra para representar o meu país, mas também uma incrível oportunidade de aprender além da sala de aula, praticar liderança e trabalho em equipe, organizar eventos, fazer networking e promover o nosso país. Durante o período em que fui presidente, fizemos o evento de boas-vindas para novos estudantes brasileiros e a segunda festa brasileiro do ano, desta vez com dançarinos “samba” e mais de 400 convidados. Também fizemos um tradicional churrasco brasileiro e vários eventos sociais para os membros. Em parceria com a Área 31, apoiamos o lançamento do livro do professor brasileiro Dr. Newton Campos, participamos do mágico Global Village e organizamos o maior evento do clube no ano, uma palestra de a jornalista, Eliane Cantanhêde, para falar sobre a situação política no Brasil.

Agora, depois dessa experiência incrível só me resta alegria e satisfação por ter sido coordenador e a gratidão pelo apoio que recebi de todos os membros, especialmente os parceiros que eu tive como coordenadores comigo Daniel, Gabriela, Carol, Bruno e Alexandre.

Guilherme Amorim Ubiali

IMG-20160609-WA0024

Anúncios

Champions League com “gostinho de Libertadores”

IMG-20160316-WA0012

Fala, pessoal. Beleza?

Depois da Ana (https://www.instagram.com/p/BC8v1SYvohJ/?taken-by=diariomba), terça-feira foi minha vez de viver a experiência de ir a um jogo europeu. E, de cara, um mata-mata de Champions League: Atlético de Madrid x PSV Eindhoven, no Vicente Calderón.  Fomos em um bom grupo do meu intake – ingressos comprados com 2 semanas de antecedência, via internet, para todos conseguirem ficar no mesmo setor do estádio.

IMG-20160316-WA0010

Como comparação entre Brasil e Espanha, tenho que dizer que o acesso aos jogos de transporte público faz a diferença na comodidade e no controle de custos. O respeito pelo assento também é outra diferença positiva em relação ao que estamos acostumados.

Como semelhança, os bares do lado de fora. Muito cheios, são uma ótima opção para um pouco de “turismo” antes da partida. Mas o destaque fica mesmo para a torcida. Bem diferentes dos torcedores do Real Madrid, que só ficam sentados e aplaudem as jogadas, os “colchoneros”, como são chamados os torcedores do Atlético, são muito mais entusiasmados durante a partida. O estádio mais antiquado, longe do tal “padrão Fifa”, também deixou a partida com um ar de Libertadores.

Em 210 minutos de bola rolando o Atlético não conseguiu furar a defesa do PSV, então fomos para os pênaltis. Para nossa alegria, vitória dos donos da casa por 8×7. Saindo do estádio, nada de correria para voltar para casa. Metrô para todo mundo até 1h30 da manhã.

Até mais e ¡dale Atleti!

João