10 maneiras como um MBA internacional pode mudar sua vida

Colaborador aqui do Diário de um MBA, Guilherme Ubiali escreveu um ótimo artigo contando sobre sua experiência e aprendizados no MBA da IE Business School para o jornal Estadão, no blog MBA de A a Z.

Texto recomendadíssimo para quem está pensando em fazer um MBA.

 


10 maneiras como um MBA internacional pode mudar sua vida

Quando comecei meu MBA na IE Business School, uma das escolas de negócio mais respeitadas no mundo e conhecida por sua abordagem empreendedora e inovadora, nosso reitor Erik Schlie disse algo que me marcou, “Aproveite esse ano para ser tudo que sempre quis, mas nunca teve coragem”. Aqui – sem antes agradecer à Paula pelo espaço e trabalho em pró da educação executiva – conto como será o seu MBA internacional, se você também acreditar nesta frase.

“Aproveite esse ano para ser tudo que sempre quis, mas nunca teve coragem”

Você viverá um caldeirão de culturas e seus melhores amigos serão do mundo todo

Mais de cem nacionalidades estudando juntas faz toda diferença. Aprendi que coisas normais para nós, como ter um passaporte, direito de ir e vir e se expressar, não é realidade para todos. Descobri que nossa rixa com os hermanos argentinos não passa de brincadeira comparada com outros países e que cultura muda o jeito da pessoa ver o mundo. Fiz amigos de países que antes não sabia apontar no mapa. Vi danças, roupas e sotaques típicos. Experimentei comidas e bebidas de dar água na boca.

No MBA você vai conhecer pessoas de partes do mundo que dificilmente visitaria ainda que fosse um executivo cosmopolita ou um inspirado viajante. Ao longo dessa jornada vai perceber que seus colegas do Cazaquistão, México….

Continue lendo o artigo aqui.

guilhermeubiali MBA

IE Global Village 2017

Anúncios

Drones são a próxima grande revolução?

Recentemente estive em tivemos na IE Business School uma apresentação da empresa DJI Drones, a maior empresa de drones do mundo.  A apresentação foi feita por Tautvydas Juskauskas, gerente de desenvolvimento da empresa na Europa, que falou sobre a industria, de oportunidades e desafios e de mercados que já foram revolucionados pelos drones, sai de lá encantado.

drone_guilherme_ubiali.jpg

Apresentação de empresas faz parte do nosso dia a dia quando estamos no MBA da IE. É uma oportunidade única de conectar com novos mercados, fazer networking e aprender sobre desafios e oportunidades destas industrias. Acho que são especialmente interessantes para aquelas pessoas que ainda não têm certeza do que querem fazer pós-MBA, pois nestas apresentações as empresas falam sobre suas atividades, sua indústria e o tipo de profissional que buscam.

Conhecemos os drones devido a indústria de entretenimento com fotos e filmagens incríveis, Hollywood têm usado drones em praticamente todos os filmes, mas isso é uma parcela muito pequena do negócio de drones, o mercado mais importante para eles neste momento é a construção civil, o setor imobiliário e a agricultura, mercados que têm sido revolucionados pela entrada dos drones.

Os drones utilizam uma tecnologia de vídeo-imagem de ponta, sendo capazes de reconhecer (e seguir) uma pessoa, baseado apenas em uma foto. Também estão muito avançados em automação, podendo funcionar sem a necessidade de um controlador. Por exemplo, se você quiser fazer um mapa 3D de um prédio, basta programar no GPS do drone os cantos do prédio e ele faz o resto sozinho. Depois de tirar milhares de fotos os dados são colocados em um software especifico que os transforma em mapeamento 3D perfeito.

Se parece impressionante o que os drones já fazem, mais ainda é o que podem fazer num curto espaço de tempo; mapeamento de tráfego, monitoramento de cidades, análise geológica, segurança, meio ambiente, são infinitas as possibilidades e estão apenas começando. Por exemplo, em uma indústria de energia solar os painéis precisam ser verificados um por um diariamente, algo que pode facilmente ser feito por um drone pré-programado de forma automatizada, com velocidade maior e custo menor.

Mas a DJI quer ir além, parece ficção científica, mas estão com projetos para drones totalmente autônomos que funcionem 24 horas por dia com energia solar. Os drones seriam conectados a uma rede de dados na nuvem (cloud) e acessados por empresas sob demanda. Assim uma empresa poderia comprar dados pré-coletados pelo drone ou contratar um drone que esteja sobrevoando a região para levantar dados específicos.

São poucas as tecnologias capazes de coletar dados como os drones, depois de coletados estes dados podem ser jogados em uma cloud ou em um software de big data com um algoritmo que irá transformá-los em informação sobre os clientes, seus hábitos de consumo e oportunidades de inovação, revolucionando a forma como o marketing toma decisões. Eu que faço também um Mestrado em Comportamento do Consumidor sei o quanto informação é fundamental para o Marketing e o quanto as empresas investem nisso.

Porém, ainda existem algumas barreiras, a principal é a questão de regulamentação, cada país tem uma lei diferente, em alguns não tem lei nenhuma e em outros é proibido. Existe também uma barreira tecnológica, como a durabilidade da bateria e a necessidade de uma tecnologia de extrema precisão em todos as peças.

Depois da apresentação, Tautvydas fez uma demonstração surpreendente com os drones da DJI. Eu já tinha visto um drone voar, mas esta foi a primeira vez que vi em lugar fechado e cheio de gente. A estabilidade do drone é uma coisa inacreditável, ele não mexe um milímetro, respondendo de forma rigorosa e precisa ao controle do operador.

Vejo um futuro próximo com drones sobrevoando cidades de forma automatizada, captando dados que vão ajudar na criação de cidades mais sustentáveis, organizadas, eficientes e melhorares para se viver, além é claro, de facilitar muito a vida do Marketing, que precisa entender seus consumidores. Por isso tudo que digo que drones não são a próxima revolução, são uma revolução que já está acontecendo.

Guilherme Ubiali

MBA fora da sala – Por que criei o FMCG Club?

Por Igor Souto Araujo

Grande parte dos alunos de MBA tem o mesmo objetivo, mudança de carreira. E comigo não foi diferente, antes mesmo de vir para a IE eu entrei em contatos com alumni de diversos intakes para ter maior entendimento do curso e poder aproveitar as oportunidades da melhor forma possível. A partir desses contatos recebi uma importante informação que é o seguinte:

  • Procure não fazer grandes mudanças de uma só vez. Ou seja, se pretender mudar de país e indústria, procure pelo menos manter uma área de atuação que você tenha conhecimento ou experiência prévia. E por aí vai, o quanto antes decidir a área e indústria que tem interesse, é melhor pois você está mais direcionado e tem maior foco.

Se você é um “soul searcher” (ainda em busca do que quer fazer): não tem problema, você vai ter contato com pessoas de diversas áreas e indústrias e vai poder fazer a sua escolha e, lembre se, nada é definitivo. Se precisar, ajuste o plano e mude novamente.

E foi assim que comecei a focar na indústria de bens de consumo. Como não tenho experiência diretamente na indústria, já tive atuação em áreas relacionadas, clientes etc, então tracei o plano de ação. Primeiramente, preciso ter maior participação na indústria e aumentar o meu networking, logo, procurei na IE Business School o clube FMCG (Fast Moving Consumer Goods), pois sabia que lá eu teria contato com pessoas da indústria e conseguiria mais informação se estava no caminho certo e o networking. Foi o primeiro clube que apliquei para fazer parte, me causou estranheza o fato de que não tinha retorno sobre atividades.

FMCG

As empresas de Bens de Consumo são responsáveis pelas principais marcas do mundo, é uma indústria que está em constante mudança e evolução.

Portanto, fui no escritório da escola para questionar o motivo e o que poderia ser feito pois muito me interessa esse tema. Com isso também acharam estranho pois o clube estava inativo, logo perguntei o que eu poderia fazer para reativar FMCG logoo clube. Elaborei uma proposta com a ideia do clube e consegui mais de 50 assinaturas de interessados (precisava de 25).

Isso foi em Janeiro, nos meus primeiros dias em Madrid, desde então estamos mantendo uma média de pelo menos um evento por mês, seja para happy hour para networking, reuniões, eleições para coordenadores, tour em empresas (como Amazon) etc. E vamos buscar melhorias, expandir e no final do ano conseguir certificado como um dos melhores clubes da IE. Dessa forma se torna um ciclo virtuoso e com resultados positivos para todos.

Amazon Tour - Abril[6707].jpeg

O que aprendi com isso?

Empreendedorismo, e não é sobre ser criativo e ter ideias, tanto que muitos empreendedores começaram negócios copiando e melhorando conceitos anteriores, empreendedorismo é sobre ter uma ideia, estabelecer um processo e executar um plano para que seja colocado em ação, e para isso precisamos de mobilização, engajamento e formar um time.

Se isso da trabalho? Sim, e principalmente no começo. Hoje, com time de coordenadores formados e clube formado, o objetivo é compartilhado e isso é muito importante. Isso é só o começo, mas já é muito gratificante e vamos desenvolver daqui pra frente.

Obrigado, forte abraço.
Igor Souto Araujo

MBA na Europa também é viajar – País Basco

FCBB1F7B-526C-4D5D-ADA6-D5C981F90BC4

Esse mês tivemos um feriado em Madri, oportunidade perfeita para viajar. Eu e mais dois amigos, Melissa, uma americana, e Saai, um indiano, alugamos um carro e fomos conhecer o País Basco. Carro nos pareceu a melhor opção, não imaginam como é barato alugar carro aqui, sem falar, que é uma com o carro pudemos fazer nosso próprio roteiro e explorar algumas maravilhas escondidas. 

O país Basco é uma comunidade autônoma da Espanha, situada ao norte do país com população de 2,1 milhões de habitantes, sua capital e principal cidade é Bilbao. Apesar de pertencer à Espanha, trata-se de uma região muito interessante com geografia e flora bastante particulares e um povo orgulhoso de suas tradições. É uma região que conserva um idioma único na Europa, o Basco, com origem desconhecida, não veio do latim como as outras línguas ibéricas e ninguém sabe ao certo sua como ou quando começou. Um idioma curioso, presente em 100% das placas, cheio de K e X, totalmente indecifrável para leigos como eu.

A viagem começou logo cedo e depois de algumas horas paramos para conhecer Burgos com sua bela catedral, depois seguimos rumo a San Sebastián – Donostia, uma praia ao norte.  No dia seguinte conhecemos a bela igreja de San Juan de Gaztelugatxe, fomos à Bilbao e visitamos o Guggenheim. A volta foi por Navarra (outra região da Espanha), paramos em Pamplona (terra da corrida de touros) e aproveitamos para conhecer o castelo de Olite.

Uma viagem incrível, cheia de belezas escondidas e que foi particularmente especial pela companhia dos amigos.

Guilherme Ubiali

 

Geek, eu?

Olá, leitores do Diário de um MBA!

É com alegria que compartilho com vocês que eu sou um dos vencedores do “Microsoft IoT Business Innovation Challenge 2016”, um desafio anual realizado pela Microsoft entre alunos de MBAs, contando com a participação das melhores escolas europeias. Como prêmio, tive uma mentoria individual com o diretor senior da empresa para trabalharmos meu desenvolvimento profissional. Foi muito interessante!

Participar de case competions e desafios como este faz parte da rotina dos alunos de MBA internacionais. Apesar de sempre voluntários, muitos, como eu, adoram participar desses eventos, pois sempre oferecerem experiências muito enriquecedoras.

Esse ano a pergunta era “O que você faria se trabalhasse na Microsoft com IoT? (Internet Of Things)”.

Confesso que fiquei em dúvida se participaria ou não do desafio, já que não sou nenhum Geek e nem trabalho no ramo. Além disso, eu realmente não sabia a resposta.

Para quem ainda não é familiarizado com o termo, Internet of Things (IoT), ou Internet das Coisas, representa uma revolução tecnológica que permite conectar dispositivos eletrônicos do dia-a-dia à internet. Imagine, por exemplo, a sua casa inteira conectada; não apenas seu computador e celular, mas geladeira, carro, micro-ondas, luzes, portas, alarme… tudo conectado, e gerido por uma inteligência artificial que desenvolve e aprende com você. Parece ficção científica, mas não é! É o futuro das nossas vidas (e o presente para algumas empresas, como Amazon e Microsoft), podem esperar! Foi então que, movido pelo desafio de aprender, resolvi participar e fui um dos vencedores do desafio.

Aos que se interessaram em conhecer mais, aqui está o texto que enviei para a Microsoft (em inglês). Com certeza os aprendizados da IE Business School, especialmente a visão inovadora e empreendedora da escola, me ajudaram muito a construir o projeto!

Guilherme Ubiali MBA

Guilherme em visita à Microsoft para o case competition

Até mais,

Guilherme Ubiali

Um típico dia de um aluno de MBA na Espanha

 

Guilherme Ubiali IE Business School

Guilherme Ubiali na IE University.

Como é cursar um MBA na Europa? Como é seu dia a dia em Madri? Essas são perguntas muito comuns que recebo como aluno do International MBA da IE Business School, por isso resolvi fazer esse artigo e contar como é um típico dia de um aluno de MBA na Espanha.

Uma anedota muito comum é dizer que nossa vida é dividida entre três coisas dais quais você tem que escolher duas: Estudar, fazer networking e dormir. Eu particularmente não concordo que você tenha que escolher apenas duas das três, mas com certeza administrar seu próprio tempo (ou a falta dele) é um dos maiores desafios do aluno de MBA.

A seguir, conto como é a minha rotina e como eu tenho feito para administrar o meu tempo.

8h00 – O despertador toca, é hora de levantar. O sol ainda está nascendo em Madri e o friozinho deixa tudo mais difícil.

9h00 – Iniciam-se as aulas. Os alunos chegam, alguns alegres e outros mais sonolentos, dependendo de como foi a noite anterior. Aula do dia, Corporate Finance e Managerial Decision Making. As aulas variam muito, não seguem uma linha constante. A cada três meses termina um “term” e trocam todos os temas e professores.

11h00 – Intervalo 40 minutos de comer alguma coisa. Perto da faculdade existem várias opções e com 10 euros consegue-se almoçar.

11h40 – De volta às aulas, a tarde de hoje foi reservada para Marketing Management e Strategy.

15h00 – Terminam as aulas, mas não o dia. Temos reunião do Club Brazil, o qual sou presidente, e em seguida uma reunião rápida do grupo de trabalho de sala.

16h00 – Palestra sobre BlockChain, uma tecnologia totalmente disruptiva que promete transformar diversas industrias como healthcare, bancos e telefonia.

17h00 – Company presentation. Hoje a vez foi da indústria Farmacêutica, ao final um coquetel de networking. Vinho e cerveja a vontade, mas como meu dia ainda está só na metade, eu fico no refrigerante.

18h30 – Enfim em casa e hora de trabalhar. Terminar a minha parte do trabalho e enviar para o grupo para revisão.

19h30 – Parada rápida para o jantar.

20h00 – De volta aos estudos, agora é a vez de preparar-me para a aula do dia seguinte. Leitura de um ou dois cases, acompanhados de mais três artigos, normalmente entre 60 e 90 páginas por dia.

23h30 – Enfim terminando a leitura e, como não sou de ferro, vou assistir um episódio da série que acompanho no Netflix.

00h30 – Pronto para dormir e descansar para um novo dia.

A rotina de um aluno do International MBA da IE é mais ou menos assim todos os dias. Alguns dias com mais company presentations, outros com mais leituras e outros mais livres nos quais é possível ir a feiras tecnológicas, fazer compras ou sair com os amigos.

Aos finais de semana a gente aproveita mais, é sempre possível caminhar pelo belo parque do Retiro, passear de bicicleta por Madrid ou viajar. Eu viajo a cada dois finais de semana, afinal, estamos na Europa!

Como viram, a rotina é intensa, começa cedo e termina tarde, mas o mais importante é que quando o dia termina você não se sente exausto, pelo contrário, está animado e ansioso para mais um dia!

Um abraço,

Guilherme Ubiali